Notícias ACIC

Notícias, informações e conteúdo que esclarece e forma opinião.

02.03.2018 - Desenvolvimento

Reunião sobre Aeroporto e voos regulares

Reunião sobre Aeroporto e voos regulares

Dia 28 de fevereiro a ACIC realizou uma reunião com representantes da empresa Two Flex, de táxi aéreo e Prefeitura para discutir a questão das obras do Aeroporto Regional Carlos Alberto da Costa Neves e o início dos voos regulares. A previsão da Prefeitura é deixar tudo pronto no mês de maio. A reunião teve a presença de diretores da ACIC, dirigentes da UNIARP, Vice-Presidência Regional da FIESC e Câmara de Vereadores.

A empresa Two Flex trabalha com aeronaves Grand Caravan, com capacidade para nove passageiros. O objetivo é fazer uma ligação entre Caçador, Florianópolis e Curitiba, com quatro operações diárias.

Roberto Marton, secretário de Administração da Prefeitura de Caçador, informou que a Prefeitura pretende concluir as obras no Aeroporto até maio. “Está em processo de licitação as obras para concluir o terminal de passageiros, a via e a rampa de acesso. A Prefeitura vem trabalhando na Infraestrutura do Aeroporto desde o ano passado e estaremos com toda a obra pronta a partir de maio para iniciar as operações regionais”, declarou.

O presidente da ACIC, Moacir José Salamoni, destaca que a questão do Aeroporto está na pauta da Associação há mais de quatro anos. Segundo ele existe uma demanda muito grande em toda a região para voos regulares. Ele informou que além da Two Flex, está em análises propostas de outras empresas aéreas. “É uma batalha intensa, burocrática, mas finalmente estamos chegando à conclusão dela. O importante não é apenas ter uma linha aérea. É ter uma alavanca para o desenvolvimento de Caçador e da região. Precisamos ligar Caçador ao mundo”, salienta.

De acordo com Wendel dos Reis Araújo, comercial da empresa Two Flex, com base na demanda de Caçador, o custo de uma passagem aérea deve ficar em cerca de R$ 360,00. “Os valores estão sendo discutidos ainda. A ideia da TwoFlex é vender passagens compartilhadas. Existindo demanda, existe a operação. Esse modelo já é aplicado em outras cidades e se chama aviação complementar, com flexibilidade de horários, para atender a demanda da região e de todos os segmentos”, disse Wendel.